Topo

Topo

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Cartilha vai orientar empregadores e empregados do setor produtivo

Fonte: Agência Brasil

O Ministério do Trabalho deve lançar nos próximos meses uma cartilha de orientações trabalhistas para empregadores e empregados do setor produtivo. O objetivo é tirar dúvidas sobre os direitos dos trabalhadores e esclarecer as características de cada tipo de contrato de trabalho, a fim de evitar problemas relacionados à segurança e fiscalização.

A criação da cartilha foi decidida após um pedido do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, que recebeu queixas de empresários sobre a interpretação das leis trabalhistas. A iniciativa pretende conciliar os interesses dos setores social e produtivo e resolver questões polêmicas nas relações entre empregados e empregadores.

É a primeira vez que o ministério elabora cartilha dessa natureza. O documento deve ser divulgado ainda no primeiro trimestre deste ano e será disponibilizado nas versões impressa e online para estabelecimentos industriais e comerciais.

Pagamento em cartão amplia possibilidade de venda nos pequenos negócios

Fonte: Agência SEBRAE


A aceitação dos cartões de débito e crédito é realidade em apenas 39% das micro e pequenas empresas. O número é de uma pesquisa inédita realizada pelo Sebrae. Entre os empreendedores que aceitam crédito e/ou débito como pagamento os resultados são positivos, com aumento da satisfação dos clientes para 71% dos entrevistados, crescimento de vendas para 57% e aumento do faturamento para 55%. 

“Os pequenos negócios que se organizam para operar com as máquinas de cartão levam vantagem e têm mais chance não apenas de sobreviver, mas também de crescer em plena crise”, observa o presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos. 

O estudo apontou que, geralmente, quanto maior o porte do pequeno negócio, mais comum é o uso das maquininhas. Os cartões de débito e/ou crédito são aceitos em 65% das empresas de pequeno porte – que faturam até R$ 3,6 milhões por ano – e por somente 28% dos microempreendedores individuais (MEI). Já o recurso da antecipação do recebimento das vendas é usado constantemente por 28% dos empreendedores e, nesse caso, predominam os MEI. 

Entre os empresários que não usam máquina de cartão, 79% apontam preferir outras formas de recebimento e 55% relatam estar com baixo volume de vendas. Eles mudariam de ideia caso houvesse um equipamento que aceitasse todos os cartões (76%), se recebessem o valor das vendas em um prazo menor (73%) e se fossem reduzidos os custos de compra, aluguel ou manutenção e as taxas de descontos e antecipação, alternativas citadas por 70% deles.


sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

CDL realiza entrega de moto da Campanha Natal Show 2017

A entrega da moto 0km da Campanha Natal Show da CDL de Santa Cruz do Capibaribe aconteceu na manhã dessa sexta-feira (13). O ganhador, Tiago Lima Santos, recebeu das mãos do presidente da CDL, Valdir Oliveira e das mãos do empresário da Quero Sandálias, Iromar Alves, a chave da moto.


Para Tiago, o prêmio chegou em boa hora. “Iniciar 2017 assim, para mim é muito gratificante, porque eu sempre gosto de valorizar o que é nosso, comprar em Santa Cruz do Capibaribe para valorizar o nosso comércio e atrelado a isso, fui contemplado com essa moto, estou muito feliz”, disse o ganhador.

Da série: Colaborador CDL


Para 58% dos empresários de varejo e serviços, 2017 será um ano melhor na economia

Fonte: Ascom SPC Brasil e CNDL

Uma pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) com empresários do varejo e prestadores de serviços das 27 capitais e do interior do Brasil mostra que ao menos parte dos entrevistados está otimista com relação às expectativas para 2017: para 58,4% a economia será melhor neste ano do que em 2016.

Apenas 8,4% acreditam que a conjuntura econômica ficará pior e, entre estes, 39,7% afirmam que uma das principais consequências será a dificuldade em economizar e fazer reserva financeira ou capital de giro. 32,4% afirmam que farão menos compras e outros 32,4% vão deixar de comprar coisas que a empresa não precisa porque terão menos dinheiro e 26,5% acreditam que será mais difícil manter as contas em dia.

Para superar os problemas decorrentes da crise econômica do país que persistirem em 2017, 28,7% das empresas pretendem pagar mais coisas à vista, 25,5% farão pesquisas de preço e 24,1% irão negociar e pedir mais descontos na hora das compras. Na lista dos problemas mais importantes para serem resolvidos em 2017 na opinião dos empresários se destacam: crise econômica (61,9%), corrupção (60,5%), violência (51,6%) e inflação (47,8%).

Mesmo com a maioria acreditando que o ano será melhor do que o anterior, ainda há 36,7% que temem que o país não consiga sair da crise. Esse é o temor mais citado pelos entrevistados. Em seguida, aparece o medo de ter que fechar a empresa (18,6%), ser vítima de algum tipo de violência (15,6%) e não conseguir pagar as dívidas (13,5%).

Para o presidente da CNDL, Honório Pinheiro, é importante ter em vista que mesmo no cenário mais otimista, a superação do quadro econômico será um processo lento. “Isso, no entanto, não significa que ninguém possa crescer. Há empresas que mesmo na crise conseguem avançar. Isso depende fundamentalmente do setor, mas também de atitudes que podem estar ao alcance do empresário. O momento exige que todas as decisões tomadas no âmbito da empresa sejam muito informadas, com a devida avaliação dos riscos envolvidos”, afirma Pinheiro.

Um terço dos empresários pretende ampliar seus negócios em 2017

Em relação à própria empresa, 58,4% dos entrevistados estão animados para concretizar seus projetos e 27,4% estão sem expectativas, positivas ou negativas. Há ainda 8,8% que se dizem desanimados com tudo. Para 2017, 29,1% dos empresários afirmam não ter algum projeto específico, mas têm a esperança de que coisas boas acontecerão. Cerca de 27,6% pretendem ampliar o negócio e 20,9% lançar novos produtos ou serviços.

Questionados sobre suas intenções para este novo ano, 17,0% afirmaram que comprarão equipamentos, 9,2% pretendem fazer aplicações periódicas de investimentos, seja na poupança ou outras opções como renda fixa e CDB e 5,0% pretendem financiar um automóvel, seja carro ou moto.

Retrospectiva 2016: vendas ruins e aumento dos custos

De acordo com a pesquisa do SPC Brasil e da CNDL, os empresários avaliam 2016 como pior do que o ano anterior: para 62,3% dos empresários de varejo e serviços, ao longo de 2016 as condições gerais da economia pioraram na comparação com 2015, enquanto 26,3% opinaram que as condições nem melhoraram nem pioraram e apenas 9,4% notaram alguma melhora.

Quanto à situação financeira da própria empresa, 48,3% acha que piorou e 14,7% afirmam que a situação melhorou. Entre estes, os principais motivos citados foram o aumento do volume de vendas (48,8%) e o aumento da carteira de clientes (37,2%).

Já entre as empresas que afirmam que a situação da empresa piorou, os principais motivos foram os resultados ruins das vendas (63,5%) e o aumento dos custos, que resultaram em diminuição da margem de lucro para não perder vendas (29,0%).

Seis em cada dez empresários (60,2%) conseguiram manter as contas em dia em 2016, mas 22,1% ficaram com muitos compromissos no vermelho, 17,3% tiveram que reduzir o mix de serviços e produtos e 6,4% acabaram sendo registradas em órgãos de proteção ao crédito. O levantamento mostra uma redução de nove pontos percentuais no número de empresas que conseguiram fazer uma reserva financeira entre 2015 e 2016, que passou de 20,9% para 11,6%.

“Mesmo que o Brasil ainda esteja no meio de uma crise econômica nesse começo de 2017, uma quantidade considerável de empresários está relativamente confiante com relação aos seus negócios. Isso é explicável pelo fato de que muitos deles acreditam que uma gestão eficiente de seu próprio negócio, com ajuste de estoques e do portfólio de produtos, além de criatividade, pode ajudá-los a enfrentar e driblar as dificuldades impostas pelo fraco ambiente econômico”, afirma o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro.

48% das empresas fizeram cortes ou ajustes no orçamento em 2016

Seis em cada dez empresários (59,6%) acreditam que as demais empresas de seu segmento estão em condições semelhantes à sua. Quase a metade (48,1%) das empresas teve que fazer cortes ou ajustes no orçamento de 2016 e entre as principais medidas tomadas estão a demissão de funcionários (59,2%), corte na conta de telefone fixo ou celular (34,9%) e na conta de luz e/ou água (26,8%).

Entre as empresas que tiveram que demitir, a média foi de 2,5 funcionários. Outros 6% afirmam que ainda terão que demitir funcionários em 2017 e 18% ainda não se decidiram. Para realizar as atividades da empresa com uma quantidade menor de funcionários, 26,3% das empresas redistribuíram as atividades entre os outros membros da equipe. 25,0% afirmaram que houve redução da demanda de trabalho, e que não foi necessário redistribuir.

28% dos empresários adiaram os planos que tinham em 2016

Apenas 16,7% dos empresários conseguiram realizar todos os planos que tinham para 2016 e 27,4% realizaram parcialmente. Porém, 15,0% afirmam ter adiado os planos para 2017 e outros 12,8% por tempo indeterminado. Entre os projetos que as empresas conseguiram realizar, o ranking permaneceu igual ao da pesquisa de 2015: a compra de equipamentos (29,6%), o pagamento de dívidas (27,1%), o aumento das vendas (21,8%) e a realização de uma grande reforma (20,4%).

Entre os projetos que as empresas não conseguiram realizar, os destaques são não ter conseguido aumentar as vendas (38,4%), fazer uma grande reforma (30,0%), comprar equipamentos (21,2%) e ampliar a equipe de funcionários (17,2%). Os motivos alegados pelas empresas que não conseguiram realizar seus planos foram falta de recursos financeiros próprios (33,6%), a insegurança em gastar dinheiro e acabar não conseguindo pagar (30,7%) e o preço das coisas (22,1%) e dos juros de financiamentos (20,1%) terem ficado muito altos.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

CDL realiza sorteio da Campanha do Natal Show

Momento do sorteio, na sede da CDL, sob a presença do presidente da entidade, Valdir Oliveira, e do 
A Campanha Natal Show da CDL Santa Cruz do Capibaribe foi finalizada na tarde desta quarta-feira (11), com a realização do sorteio. Foram sorteados 10 mil reais em vales compras e uma moto 0km. A moto foi sorteada na sede da CDL e os vales compras foram todos sorteados nas lojas participantes, a fim de gerar visibilidade para as empresas que aderiram à campanha.

Cupom sorteado para a moto 0km
Vários ganhadores já estão recebendo seus prêmios. O ganhador da moto mora aqui mesmo em Santa Cruz do Capibaribe, Tiago Lima Santos, ele que mora no Bairro Malaquias. Na oportunidade a executiva da CDL, Katyane Amaral, entrou em contato, deu a notícia ao ganhador, que está viajando e vai receber a moto na próxima semana.


Diretores da CDL
Confira abaixo alguns dos sorteios e ganhadores que já estão recebendo seus vales compras.


Isac Aragão representa CDL e Sindilojas em confraternização da ACIETAQ

A confraternização da Associação Comercial, Industrial e Empresarial de Taquaritinga do Norte – ACIETAQ, aconteceu na noite desta quarta-feira (11), onde na oportunidade o presidente da associação, Adriano Araújo, juntamente com sua diretoria, apresentou os resultados positivos da ACEITAQ em menos de um ano institucionalizada no município. Articulação empresarial para compra de motos para a Rocam, fortalecimento do comércio local e reconhecimento das empresas associadas foram os destaques da cerimônia, que contou com a participação de autoridades, empresários e convidados, a exemplo do senhor Isac Aragão, ele que é presidente do Sindilojas e foi um dos fundadores da Câmara de Dirigentes Lojistas – CDL de Santa Cruz do Capibaribe.


O convite para a CDL, partiu do princípio da parceria instituída junto a ACIETAQ, associação a qual a CDL tem o prazer de apadrinhar e contribuir para o seu sucesso. Em sua fala, Isac Aragão falou sobre a importância do associativismo. “Sozinhos nós não chegaremos a lugar algum. Juntos e unidos somos fortes e poderemos fazer valer o poder do associativismo, pois nos agregamos em favor do bem comum. Quero parabenizar a todos os diretores da ACIETAQ em nome do presidente Adriano e dizer que vocês podem contar conosco da CDL para grandes parcerias”, frisou.

Além do ex-presidente da CDL, Isac Aragão, participaram do evento, a diretora jurídica, Madellon Leite, e a professora e consultora, Virgínia Vasconcelos.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Parabéns

Quem esteve comemorando idade nova esta semana foi o colaborador da CDL, José Izac, ele que atua como Autoridade Certificadora na entidade. Izac é um colaborador atento, amigo e comprometido. A ele, todos os votos de saúde e muita paz, é o que deseja todos os seus colegas de trabalho, além dos seus familiares e o presidente da CDL, Valdir Oliveira, que esteve na singela comemoração na tarde desta terça-feira (10), para felicitar nosso colega Isac pela passagem do seu aniversário.




Confira as vagas de emprego da Agência do Trabalho de Santa Cruz do Capibaribe

A Agência do Trabalho de Santa Cruz do Capibaribe 10 vagas de emprego para esta quarta-feira (11):

Ocupação
Escolaridade
Experiência
Vagas
Auxiliar de crédito
2º grau completo
6 meses
1
Cozinheiro
Não pede
6 meses
2
Costureiro
Não pede
6 meses
1
Empregado doméstico
Não pede
6 meses
1
Gerente administrativo
2º grau completo
6 meses
1
Gerente de produção
2º grau completo
6 meses
1
Propagandista de prod. farmacêuticos
Superior completo
6 meses
1
Operador de caixa
2º grau completo
6 meses
1
Modelista
2º grau completo
6 meses
1


A Agência do Trabalho de Santa Cruz do Capibaribe fica localizada na Rua Capitão Pedrosa, Nº 306, bairro de São Cristóvão. Telefone: 3759-8235.

Economia em 5 Minutos de 2017

Fonte: SPC Brasil

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Demissões crescem nos pequenos negócios

Fonte: Agência SEBRAE

As micro e pequenas empresas apresentaram um saldo negativo de geração de empregos no mês de novembro, quando foram encerrados 23,4 mil postos de trabalho. Apesar do resultado ruim, os pequenos negócios continuam demitindo menos que as grandes e médias empresas, que fecharam, no mesmo período, cerca de 88,8 mil vagas.

No penúltimo mês do ano, apenas o Comércio registrou saldo positivo. Os pequenos negócios geraram 44,8 mil empregos nesse setor, número três vezes superior ao das empresas de maior porte, que contrataram 14,1 mil trabalhadores. “Esse resultado positivo pode ser reflexo da expectativa de vendas para as festas de fim de ano”, destaca o presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos.

Mesmo com um resultado negativo no acumulado, as micro e pequenas empresas apresentaram um número maior de contratações do que de demissões em quatro meses do ano. Já as médias e grandes tiveram saldo negativo durante todo o período mencionado.

Entre os meses de janeiro e novembro de 2016, foram encerradas 869,4 mil vagas, sendo aproximadamente 62 mil nos pequenos negócios, o que corresponde a 7% do total. As médias e grandes empresas fecharam 807,4 mil postos de trabalho.

Brasil teme ser desbancado pela “China da América do Sul”

Fonte: Portal Exame

Os brasileiros estão começando a mudar de opinião sobre a Eldorado dos negócios em sua vizinhança.

Os impostos, salários e custos gerais baixos estão dando asas à ambição do governo paraguaio de transformar o país na “China da América do Sul”: um polo industrial de baixo custo que atrai investimentos de toda a região.

O Brasil enfrenta sua pior recessão na história e por isso dezenas de empresas estabeleceram operações do outro lado da fronteira, criando milhares de empregos.

Bem acolhida pelo governo brasileiro em um primeiro momento, a migração de investimentos está atraindo cada vez mais críticas em meio ao desemprego recorde.

“Tem esse costume de brincar”, disse Murillo Onesti, do escritório OLN Advogados, de São Paulo, em referência à antiga reputação do Paraguai no Brasil por ser fonte de falsificações baratas.

“A China teve essa resistência no começo, mas hoje em dia o que está acontecendo? Vai se provar que com o Paraguai, pela questão dos impostos, você vai conseguir produzir produtos com mais qualidade com menor preço.”

Em vigor desde 2000, a “lei da maquila” do Paraguai busca replicar o sucesso das operações das chamadas empresas maquiladoras — ou plantas industriais — do México.

Os produtos podem ser importados isentos de impostos para montagem, depois vendidos localmente ou exportados com somente a parte do valor agregado tributada, a uma taxa de apenas 1 por cento.

Made in Paraguay

As empresas brasileiras começaram a investir seriamente em 2013, encorajadas inicialmente pela habilidade com as vendas do presidente paraguaio Horacio Cartes, e posteriormente pela necessidade de reduzir custos no ambiente empresarial do Brasil, que está piorando vertiginosamente.

“A crise ajudou”, disse Onesti, que oferece assessoria jurídica e estratégica a empresas brasileiras. “Os executivos estão procurando reduzir custos e aumentar a produtividade. O Paraguai oferece essa solução.”

Das 126 empresas que atualmente operam sob a lei da maquila, 80 abriram desde o início do mandato de Cartes, em agosto de 2013, segundo números do governo paraguaio. Essas empresas criaram mais de 11.000 empregos, sendo 6.700 nos últimos três anos.

Cerca de 80 por cento das empresas estrangeiras criadas sob a lei da maquila do Paraguai são de brasileiros, segundo a Confederação Nacional da Indústria (CNI), do Brasil.

Entre os grandes grupos que estabeleceram operações no país recentemente estão a empresa de moda Guararapes e a fabricante de brinquedos Estrela.

Não é difícil ver a atratividade. Segundo a CNI, os custos da energia são mais de 60 por cento inferiores no Paraguai, enquanto os custos com mão de obra são 100 por cento a 135 por cento superiores no Brasil.

Além disso, a capital do Paraguai, Assunção, fica mais perto de São Paulo, o coração industrial do Brasil, do que muitas capitais estaduais do país.

Mas nem todos estão entusiasmados. O senador Tasso Jereissati (PSDB) mostrou preocupação com o fato de os incentivos fiscais do Paraguai atraírem empresas têxteis e de vestuário de regiões menos desenvolvidas do Brasil.

Em resposta a essas preocupações, o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços do Brasil informou, em comunicado por e-mail, que estava “O MDIC busca trabalhar em uma estratégia para os investimentos brasileiros no Paraguai, porém sem incentivar a migração de empresas e empregos do Brasil para o país vizinho”.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017


Lojistas devem entregar os cupons da Campanha Natal de Prêmios até esta terça-feira (10) na sede da CDL


Receita libera hoje consulta a lote residual do Imposto de Renda

Fonte: Agência Brasil

A partir desta segunda-feira (9), estará disponível para consulta o lote multiexercício de restituição do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física. Ele contempla restituições residuais referentes aos exercícios de 2008 a 2016, informou a Receita Federal.

O crédito bancário para 177.539 contribuintes será realizado no dia 16 deste mês, totalizando R$ 370 milhões. Desse total, R$ 6,768 milhões serão destinados a contribuintes idosos (21.130) e com alguma deficiência física ou mental ou moléstia grave (2.232).

A correção pela taxa Selic do valor a ser restituído varia de 9,92% (para restituições referentes a 2016) e 91,49% (para as de 2008).
Para saber se teve a declaração liberada, o contribuinte deverá acessar a página da Receita na internet, ou ligar para o Receitafone 146.

Na consulta à página da Receita, pelo serviço e-CAC, é possível acessar o extrato da declaração e ver se há inconsistências de dados identificadas pelo processamento. Nesta hipótese, o contribuinte pode avaliar as inconsistências e fazer a autorregularização, mediante entrega de declaração retificadora.

Tablets e smartphones

A Receita disponibiliza, ainda, aplicativo para tablets e smartphones que facilita consulta às declarações do Imposto de Renda Pessoa Física e situação cadastral no CPF (Cadastro de Pessoa Física).

Com ele será possível consultar diretamente nas bases da Receita Federal informações sobre liberação das restituições do imposto e a situação cadastral de uma inscrição no CPF.

A restituição ficará disponível no banco durante um ano. Se o contribuinte não fizer o resgate nesse prazo, deverá requer por meio da internet, mediante o Formulário Eletrônico - Pedido de Pagamento de Restituição, ou diretamente no e-CAC, no serviço Extrato do Processamento da Declaração do Imposto de Renda da Pessoa Física.

Caso o valor não seja creditado, o contribuinte poderá contatar pessoalmente qualquer agência do BB ou ligar para a Central de Atendimento por meio do telefone 4004-0001 (capitais), 0800-729-0001 (demais localidades) e 0800-729-0088 (telefone especial exclusivo para deficientes auditivos) para agendar o crédito em conta-corrente ou poupança, em seu nome, em qualquer.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

A vida financeira na terceira idade


O percentual de idosos no Brasil está em constante crescimento, por isso, entender o comportamento desse público pode ser essencial para que as empresas do varejo possam atender suas necessidades para ganharem novos clientes e aumentarem as vendas.



Veja o vídeo abaixo!


CDL realiza pesquisa de Sondagem do Comércio de Santa Cruz do Capibaribe (dezembro/2016)


BNB quer emprestar mais para pequena empresa

Fonte: Estadão

O novo presidente do Banco do Nordeste (BNB), Jurandir Vieira Santiago, informou que a diretriz dada pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, para a gestão do banco é de aumento do crédito para as micro e pequenas empresas. Jurandir tomou posse há pouco em cerimônia fechada à imprensa no Ministério da Fazenda e deu uma rápida entrevista na portaria do prédio após a cerimônia. Segundo ele, o banco tem para emprestar este ano R$ 10,6 bilhões do Fundo Constitucional do Nordeste (FNE) e R$ 4 bilhões de recursos próprios do banco.
Ele disse que não há contrassenso entre a orientação do ministro para o BNB e a política do governo adotada este ano de frear a expansão do crédito como auxílio ao combate à inflação. "Não acredito (em contrassenso). O crédito que promove o desenvolvimento tem de ser mantido", disse. Ele afirmou que o banco vai cada vez trabalhar mais alinhado com as políticas desenhadas pelo governo federal, promovendo o desenvolvimento regional.
Para ler na íntegra, clique aqui!

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Comitê Gestor aprova a Resolução que torna obrigatório o certificado digital para empresas com mais de três funcionários

Desde o dia 1º de janeiro deste ano, as micro e pequenas empresas optantes pelo Simples Nacional, que possuem mais de três empregados, estão obrigadas a adquirir um certificado digital tipo e-CNPJ para o envio das informações trabalhistas, fiscais e previdenciárias por meio da GFIP e do e-Social.


Estima-se que o volume de empresas envolvidas nessa obrigatoriedade chegue a 300 mil no Brasil inteiro e aquelas que apresentarem a GFIP fora do prazo, não apresentá-la ou apresentar com falhas, estarão sujeitas a multas.

Para ver a resolução na íntegra, clique aqui!